Você está satisfeito com a vida?

Saiba como avaliar a sua satisfação com a vida! Como você definiria satisfação com a vida? Quem são as pessoas mais satisfeitas para você? Venha ler esse post e desconstruir seus conceitos sobre o tema.

Você sabe o que é satisfação com a vida?

Satisfação com a vida é a forma com que avaliamos nossa atual condição, se consideramos boa ou ruim a maneira com que estamos vivendo. É um processo mental, crítico e individual, ou seja, cada pessoa julga o quanto sua vida é satisfatória, a partir do padrão que ela mesmo estabelece. Está relacionada com a saúde, o trabalho, relações sociais e autonomia no cotidiano.

Mas afinal, o que esse conceito tem a ver com as pessoas com deficiência?

Pode ser do senso comum acreditar que pessoas com deficiência tenham baixa satisfação com a vida e até mesmo tenham dificuldade em atribuir um sentido a ela, devido as adversidades e preconceitos vindos da sociedade, que ainda tem, infelizmente, uma cultura que reproduz o capacitismo (Definição – O capacitismo significa a discriminação de pessoas com deficiência, o termo está relacionado com a construção social de um padrão perfeito considerado “normal” e da subestimação da capacidade e de pessoas com deficiências). Porém uma pesquisa realizada na Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto vem nos provar o contrário (https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/177134/170078).

Lesão medular traumática e a Satisfação  

Para surpresa dos pesquisadores, ao pesquisar a satisfação com a vida em pessoas que ficaram paraplégicas ou tetraplégicas após algum acidente, a média da pontuação obtida estava muito próxima a média de pessoas sem deficiência, ou seja, esse sério acometimento, não diminuiu a satisfação com a vida das pessoas, que agora possuíam uma deficiência.

A maioria dos participantes (60%) se enquadravam nas categorias de pessoas satisfeitas com a vida, ao passo que 36,5% se enquadravam nas categorias de insatisfação e 3,5% foram classificados com neutros, nem satisfeitos nem insatisfeitos.

Tempo

Os resultados dessa pesquisa podem estar relacionados a inúmeros aspectos de vida e sociais dos participantes, porém foi o tempo desde a Lesão Medular que ganhou destaque nesta pesquisa. Foi constatado que quanto mais tempo de LMT um participante tinha, maior era sua satisfação com a vida, indicando que tudo está relacionado a adaptação a nova condição, e a ressignificação de padrões impostos pela sociedade.

O que a sociedade pode aprender com isso?

Que ser uma pessoa com deficiência não significa ter uma vida insatisfatória e que presumir isso é reproduzir atitudes capacitistas. É necessário um olhar sobre a diversidade humana e compreender que essa diversidade é o que nos movimenta. O verdadeiro caminho para uma inclusão efetiva, perpassa pela garantia das pessoas terem direito de serem quem são, com toda diversidade intelectual, de corpos e de saberes, sem precisarem se enquadrar em padrões pré-estabelecidos para alcançar a felicidade.

SAIBA MAIS:

Castro FFS, Bimbatti    KF, Carvalho AAG, Gonçalves ML, Lopes FG, Schutt W. Satisfaction and meaning in life for individuals with traumatic spinal cord injury. Acta Fisiatr.  2020;27(4):213-219

Autores

Karina de Fátima Bimbatti. Enfermeira pela Universidade de São Paulo – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Mestranda pelo programa Enfermagem Fundamental.

Thayná Bragagnollo Nery. Enfermeira pela Universidade de São Paulo – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Mestranda pelo programa Enfermagem Saúde Pública.

Profª Draª Fabiana Faleiros. Professora Doutora do Departamento Geral e Especializada da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Profª Draª Marislei Sanches Panobianco. Enfermeira. Professora Associada do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e de Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Profª Draª Soraia Assad Nasbine Rabeh. Enfermeira. Professora Doutora do Departamento de Enfermagem Geral e Especializada da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content